Qual Ciclovia? Elétrica?

            O alerta público levantado pelo Secretário Estadual de Infraestrutura e Logístia Beto Albuquerque sobre os riscos aos ciclistas que utilizarem a futura ciclovia da Av. Ipiranga – em razão da rede elétrica de alta tensão e do gasoduto subterrâneo – levanta um debate central para o futuro da capital, e que vai muito além da questão de obrigar o município a assumir a responsabilidade pelos riscos aos ciclistas. Trata-se da concepção de ciclovia que Porto Alegre pretende implementar.

            A perda de qualidade de vida na capital nos últimos anos é notória: além da poluição, a quantidade de horas perdidas dentro dos automóveis em razão dos congestionamentos tem aumentado o estresse da população e diminuído o tempo de convívio com nossas famílias. O automóvel é uma espécie de “caixa” que isola o motorista do contato real com a cidade e com as outras pessoas.

            Podemos inverter esta lógica. Na Holanda, 30% das pessoas se locomovem de bici. Sorocaba “ciclou” a cidade inteira. Em Sapiranga, os congestionamentos são das bicicletas. Alguém tem uma forma melhor de tirar uma população do sedentarismo? Será que não é por aí – o investimento em prevenção – que reduziremos as filas dos hospitais e aumentaremos a qualidade de vida da população?

            Desde o atropelamento coletivo na Cidade Baixa, notícia que circulou os quatro cantos do planeta, incrivelmente a quantidade de ciclistas se locomovendo pelas ruas de Porto Alegre aumentou. E nem isso foi capaz de sensibilizar os gestores municipais.

            A política implementada pela atual gestão municipal é o típico caso do gestor mais preocupado em “jogar para a torcida”, o que revela a cultura do “carrocentrismo” dos habitantes do Paço Municipal.  Com efeito, a ciclovia da Ipiranga está sendo construída sobre o canteiro, pois ali não vai “atrapalhar o trânsito”. A próxima ciclovia nos planos dos gestores municipais e a da Av. Sertório, provavelmente por ser larga suficiente para, de novo, não atrapalhar o transito… O Plano Diretor Cicloviário Integrado – Lei Complementar Municipal 626/2009 – que prevê a destinação de 20% das multas de trânsito para construção de ciclovias nunca foi cumprido. Enquanto isso, o Prefeito vibra com os estacionamentos subterrâneos que serão construídos e acredita que duplicar algumas ruas vai resolver os problemas – às custas, por exemplo, de cortar o Parque Marinha do Brasil ao meio. Definitivamente, estamos na contramão da história e das soluções inteligentes para as grandes cidades.

 

 

*Marcelo Sgarbossa

Ciclista urbano e Diretor do Laboratório de Políticas Públicas e Sociais – Lappus

Mestre em Análise de Políticas Públicas – Universidade de Turim

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>